Como uma alimentação natural e saudável pode mudar sua vida?

Você sabia que seus hábitos alimentares afetam vários aspectos de sua vida?

O primeiro e mais importante é sua saúde. Uma alimentação pobre em nutrientes e altamente processada (“Produto Alimentício” dentro de caixas) aumenta o risco de:

-Intolerância, sensibilidade e alergia à alimentos que contém glúten, soja, milho, lactose;

-Sintomas como dores de cabeça, alteração de humor desconforto e dores abdominais, TPM, falta de concentração e energia, baixa imunidade;

  • Doenças crônicas, como diabetes, artrite reumatóide, sobre peso e obesidade, pressão alta, depressão, síndrome do cólon irritável, fadiga crônica, dores de cabeça e enxaqueca… e por aí vai… doenças cardíacas, câncer… a lista é longa…

Muitos desses sintomas e doenças são devidos ao uso indiscriminado de agrotóxicos, manipulação genética dos alimentos (Transgênicos) e o alto consumo de alimentos processados nas últimas décadas.

A boa notícia é que esses efeitos são reversíveis: uma alimentação balanceada e natural nos faz sentir mais felizes e dispostos; e a redução de peso e melhora na saúde se tornam apenas o resultado de um estilo de vida transformador.

Que tal embarcarmos juntas nesta jornada?

A maioria das pessoas acha que é muito difícil adotar uma alimentação saudável, devido à falta de tempo, ou por acreditar que seja uma dieta muito cara e muito complicada.

Alimentar-se corretamente é acessível à todos e estou aqui para compartilhar dicas básicas pra quem quer melhorar sua alimentação e alcançar resultados positivos, de acordo com sua rotina.

Comece do começo:

  1. Prefira sempre alimentos in natura ou minimamente processados, ou seja: fora da caixa. Caso estejam embalados, a lista de ingredientes deve conter itens que você conhece na lista de ingredientes. Ex.: Lista de ingredientes com números, palavras do tipo “aroma natural” ou nomes de difícil pronúncia, certamente devem ficar fora da lista.

2) Utilize gorduras “saudáveis”, ou seja: azeite extra virgem, óleo de coco, castanhas e nozes, linhaça, chia, óleo de semente de uva, óleo de girassol, sementes, entre outros. Gorduras de origem animal devem ser de boa procedência e assim como qualquer outra gordura, devem ser utilizadas com moderação (para os não-veganos. Aqui, não discutirei este assunto, pois este espaço é aberto a todas as modalidades de dieta e pessoas que se interessam por alimentação plant based). Gorduras, apesar de calóricas, são essenciais para o bom funcionamento do nosso corpo. E uma de suas funções é ajudar na absorção de vitaminas A, E, D e K.

3)Sal: com moderação. Sal refinado é rico em sódio e pobre em iodo (devido ao processo de refinamento). Prefira sal marinho, sal rosa, sal do Himalaya, por serem minimamente processados. Eles tem maior concentração de iodo (é um mineral super importante para a composição de hormônios da glândula tireóide), salgam melhor a comida na minha opinião, o que naturalmente nos faz precisar de menos quantidade.

4)Açúcares: com moderação (e evitar em muitos casos). Açúcar é fonte de energia para o corpo e está presente em muito mais alimentos do que você pensa. Pães, massas, cereais matinais, arroz, batata, derivados do leite, frutas, álcool, doces em geral, biscoitos e salgadinhos industrializados.

5) Pratique alimentação consciente, ou “Mindful Eating”. O que isso significa? Se alimentar com a razão, estar presente na hora de se alimentar, saber escolher a qualidade e quantidade de alimento adequado para o seu corpo. Degustar a sua refeição é focar no momento, esquecendo tv, celular, conversas estressantes (como falar de problemas de trabalho) e outras distrações que desviam o foco do ato de se alimentar.

6) Faça suas compras em locais que tenham uma grande variedade de alimentos in natura. Quando possível, prefira os alimentos orgânicos e agroecológicos. Busque feiras, cooperativas, hortas comunitárias e se integre! Plantar uma hortinha com ervas aromáticas em vasinhos também é uma ótima alternativa.

7) Desenvolva suas habilidades culinárias. Pesquise receitas, participe de oficinas culinárias saudáveis. Coloque a mão na massa, aprenda e compartilhe receitas com familiares e amigos.

8) Planeje seu tempo. Distribua as responsabilidades com a alimentação na sua casa. Comer bem é tarefa de todos.

9) Ao comer fora, prefira locais que façam a comida na hora. Escolha opções mais naturais. Por ex.: saladas, legumes e verduras devem ser no mínimo 50% do seu prato. Evite 1 prato de massa sozinha ou 1 pizza inteira. Divida com alguém. Peçam 1 salada ou porção de legumes no vapor para complementar.

10)Procure um profissional de saúde integrada, tipo nutrólogo, nutricionista ou médico especialista em sua condição. Terapeutas holísticos trabalham com alternativas completamente naturais, as quais eu sou fã. Medicina e nutrição Ayurvédicas, acupuntura, homeopatia, coach de vida, Reiki, massagens, meditação são algumas ferramentas que uso para me equilibrar e conseguir sustentar as mudanças por longo prazo, sem sentir vontade de voltar aos antigos hábitos.

11) Seja crítico. Existem muitos mitos e publicidade enganosa em torno da alimentação. Avalie as informações que chegam até você e aconselhe seus amigos e familiares a fazerem o mesmo. Esteja consciente: o que funciona para um, não necessariamente funciona para todos.

Forte abraço e muita luz!

Anna Garcia

Querem dicas de alimentação natural, beleza, saúde e longevidade?

Envie suas sugestões. Posso compartilhar com vocês.

E.: annagarciachef@gmail.com

https://www.annagarciachef.com.br

VOLTAR
2018-06-27T18:47:51+00:00